Ana Paula Siqueira debate projeto de fortalecimento e regulamentação da podologia em Minas


A deputada Ana Paula Siqueira (Rede) colocou em pauta nesta segunda-feira, dia 14, a valorização, estímulo e regulamentação da podologia. O debate contou com a participação dos professores Magno Queiroz, Michele Pacheco e Armando Bega, referências na área e no fortalecimento da categoria em Minas e no Brasil. Durante o encontro virtual, a deputada destacou a relevância da atividade para a saúde pública e o bem-estar da população. A parlamentar também explicou sobre os Projetos de Lei 2544 e 2545, ambos de 2021, de sua autoria, e que tramitam na Assembleia Legislativa de Minas Gerais.


“A podologia está na área da saúde, estuda e trata dos pés, que são o nosso equilíbrio. É uma satisfação que os nossos projetos de lei possam contribuir para divulgar, valorizar e conscientizar as pessoas da importância dessa atividade”, afirmou Ana Paula Siqueira.

O PL 2544/2021 tem como objetivo criar a política estadual para o estímulo da atividade de podólogo, a partir de palestras e cursos da profissão, da divulgação e incentivo da formação de podólogos no Estado. A política estadual proposta pelo texto também prevê a promoção, proteção e recuperação da saúde da população, através do exercício da podologia por profissional qualificado. Já o Projeto de Lei 2545/2021 trata de assegurar o exercício profissional, com regulamentação da profissão no Estado.


Durante o debate, a professora e podóloga Michele Pacheco, explicou sobre as diversas áreas de atuação da podologia, desde a prevenção até o cuidado e tratamento dos pés, que é a nossa sustentação e fundamental na locomoção. A podologista também destacou a importância da união da categoria.


“O podólogo atua de forma multidisciplinar, com enfermeiros, oncologistas, dermatologistas, entre outros. A nossa atuação acontece diante de diversas patologias, como, por exemplo, casos de unha encravada, micoses, calosidades e o pé diabético. Trabalhamos com alguns exames para mensurar a situação do pé e da saúde do paciente. A nossa base de estudo é ampla com patologia, fisiologia, imunologia, entre outros. Quanto mais tempo de estudo, mais aprofundado o conhecimento e as possibilidades de atuação”, explicou Michele Pacheco.

Já o professor Magno Queiroz, podólogo, enfermeiro e membro da Câmara Técnica de Biomedicina (3ªregião), observou que o curso técnico em Minas começou há cerca de 21 anos no Estado, que hoje também conta com cursos de graduação. A formação, como explicou o professor, demanda uma dedicação e estudos de 1.200 horas para o nível técnico, o que demonstra a importância de profissionais qualificados para um atendimento de qualidade.


O professor Armando Bega, professor e presidente da Associação Iberoamericana de Podologia, contou um pouco da história da podologia, uma profissão antiga. Ele ponderou que, diante da importância dessa atividade para a saúde pública, os profissionais devem procurar uma capacitação de qualidade. Ainda neste contexto, Armando Bega ressaltou a importância da regulamentação da profissão.


“Às vezes, as pessoas fazem cursos curtos de um fim de semana, de poucas horas, e não passam pelo rigor de uma escola técnica ou graduação, que são fiscalizados e têm sua capacidade de diplomar. Se isso acontece, é um risco à saúde pública, de infecção, amputação e até de óbito. É muito importante ter uma formação adequada e que as pessoas procurem profissionais preparados”, pontua.

Ao final do debate, os professores destacaram que a iniciativa da deputada Ana Paula Siqueira, de apresentar os Projetos de Lei 2544 e 2545, irá contribuir para o estímulo, valorização e regulamentação da profissão no Estado de Minas Gerais.

1 comentário