Ana Paula Siqueira investe em esportes e proteção das mulheres



O investimento em políticas públicas de esporte traz impactos diretos no enfrentamento às desigualdades sociais, na promoção do bem-estar e da saúde pública, principalmente para as juventudes. Ana Paula Siqueira (Rede) investiu durante o seu mandato R$ 786 mil, em emendas parlamentares, em projetos e iniciativas públicas na área de esportes. Além de aplicar recursos, a deputada tem projetos de lei neste sentido, como o PL 3219/21, que reconhece o futevôlei como de relevante interesse cultural, esportivo e social, além de patrimônio imaterial do Estado.


“Acredito no potencial dos esportes, inclusive enquanto política pública social, que deve ser articulada com ações de educação e cultura. O futevôlei é um dos esportes que mais cresce, envolve as pessoas, traz benefícios para a saúde, e tem potencial para ser uma importante política envolvendo a juventude”, explica Ana Paula Siqueira, que é assistente social, nascida e criada na periferia da regional Leste de Belo Horizonte.

O projeto que trata sobre a valorização do futevôlei foi aprovado no dia 15 de março, na Comissão de Constituição e Justiça, da Assembleia.



Entre os investimentos já realizados pelo mandato em esporte estão a destinação de recursos de emenda parlamentar para a implantação de Academias ao Ar Livre, reforma e cobertura de quadras, associações de capoeira, entre outras iniciativas.


Mulheres nos estádios

Ana Paula Siqueira, que é presidente da Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher, participa do grupo que estrutura medidas de combate a importunação sexual em todos os estádios de Minas Gerais. No dia 16 de março, Ana Paula se reuniu com representantes do Ministério Público (MPMG), Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), Polícias Militar e Civil, Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/MG), Mineirão, entre outras instituições, para discutir a questão e as propostas de interiorização da ação.



“Lugar de mulher é onde ela quiser. É preciso garantir que as mulheres que vão aos estádios torcer pelos seus times possam viver essa emoção com segurança e respeito. Infelizmente, os casos de assédio estão crescendo. De forma conjunta, podemos mudar a cultura do machismo que ainda veem as mulheres como objetos”, afirmou.

A parlamentar é autora do Projeto de Lei 1549/2020, que cria a campanha permanente contra o assédio e a violência sexual nos estádios. A proposta ainda prevê ações de conscientização com funcionários e torcedores, além de determinar que as mulheres tenham acesso às câmeras de segurança para identificar os agressores.



0 comentário