Banco de empregos para mulheres vítimas de violência em Minas Gerais começa a ofertar vagas



A dependência financeira é uma das principais razões para que as vítimas de violência doméstica não consigam romper com o ciclo de agressões. Para atuar no apoio a essas mulheres, a partir desta quarta-feira (1/12), Minas Gerais passa a contar com um banco de empregos voltado para essas mineiras. O programa A Vez Delas foi criado a partir da Lei 23.680/2020, de autoria da deputada Ana Paula Siqueira (Rede). O lançamento oficial aconteceu na Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL/BH), com a presença de empresários, do Estado e de representantes de diversos órgãos.


Ana Paula Siqueira destaca a importância desta política pública sair do papel e chegar a quem de fato precisa, inclusive, nas cidades do interior. A Vez Delas é o primeiro projeto sobre empregabilidade de mulheres em âmbito estadual no Brasil.


"Essa é uma iniciativa que pode transformar e salvar vidas. O trabalho representa mais do que o recurso no fim do mês. É uma oportunidade de um recomeço com autonomia, dignidade e liberdade de escolha. A violência doméstica ainda é naturalizada no nosso país por uma questão cultural, por isso, o combate a esse crime passa pelo processo de educação, e pela proposição de políticas públicas que envolvam toda a sociedade”, afirma.

A pesquisa DataSenado mostra que a dependência financeira é a segunda razão mais apontada, com 27%, para que as mulheres não denunciem seus agressores. O mesmo estudo revela que 34% das vítimas dependem economicamente de seus agressores.


Em Minas Gerais, por dia, são registrados 400 boletins de ocorrência por violência doméstica, segundo dados da Polícia Militar, sendo este o único crime que cresceu no primeiro semestre de 2021. A deputada destaca a importância do projeto reunir poder público, Executivo, Legislativo, Judiciário, sociedade civil e iniciativa privada. “A mudança deste quadro é uma responsabilidade de toda sociedade”, diz.


Empresários aderem ao programa


A autora do projeto de lei que deu origem ao programa, Ana Paula Siqueira, destaca o engajamento da CDL/BH no processo de sensibilização dos empreendedores. Empresas como os laboratórios Hermes Pardini, a drogaria Araujo e a Loja Elétrica estão cadastradas no programa, de acordo com a Câmara dos Dirigentes Lojistas.


“Desde o primeiro momento em que apresentei o projeto ao presidente Marcelo de Souza e Silva, ele demonstrou o empenho com essa pauta que é de impacto para toda a sociedade. O comprometimento da CDL/BH, que tem compromisso com o desenvolvimento social e humano, tem sido essencial”, observa Ana Paula.


“Lamentavelmente, em pleno século XXI, nossa sociedade ainda não conseguiu superar esta triste realidade, que é a violência contra a mulher. Oferecer a essas pessoas uma oportunidade de emprego e, consequentemente, de independência financeira é uma das saídas para que o ciclo de agressões seja rompido. E, felizmente, diversos estabelecimentos de todos os portes já demonstraram interesse e disponibilidade para abraçar essa causa tão nobre”, reforçou o presidente da CDL/BH, Marcelo de Souza e Silva.

Como vai funcionar?

O banco de empregos está disponível no site https://serdh.mg.gov.br/avezdelas . No link, as empresas poderão se cadastrar para ofertar as vagas, de acordo com a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social (Sedese). Os órgãos públicos também poderão aderir ao programa. Já as mulheres que estiverem interessadas nas oportunidades de emprego, poderão ser cadastradas ao buscarem informações nas portas de entrada de atendimento, como o Centro Risoleta Neves de Atendimento às Mulheres (CERNA), os centros de referência da Mulher, ou delegacias.




1 comentário