Deputada Ana Paula Siqueira alerta sobre riscos do aumento do consumo de álcool na pandemia


Ana Paula Siqueira presidindo reunião na Assembleia Legislativa de Minas Gerais
Crédito: Clarissa Barçante/ALMG

Durante o isolamento social, o consumo de álcool e tabaco aumentou, segundo pesquisa feita em parceria com a UFMG, a Fiocruz e a Unicamp. Os dados mostram que 18% dos entrevistados estão consumindo álcool quase que diariamente na pandemia. O estudo da entrevistou, entre 24 de abril a 8 de maio, 44.062 pessoas de idades variadas. Em função deste quadro, a deputada Ana Paula Siqueira realizou audiência pública, na Comissão de Prevenção e Combate ao Uso de Crack e Outras Drogas, e cobrou nesta segunda-feira as ações do Estado de prevenção e atendimento às essas famílias.

“Nossa preocupação é grande. Sabemos que a bebida alcoólica é um dos gatilhos para vários tipos de violência doméstica. Além disso, o consumo excessivo agora pode desencadear uma dependência no futuro, além de doenças como a depressão. A prevenção é sempre o melhor caminho”, afirmou Ana Paula que é vice-presidente da Comissão.

Como o consumo está ocorrendo em casa, e na presença de crianças e adolescentes, a deputada reforçou a necessidade de campanhas de prevenção do consumo de álcool junto à juventude. Ana Paula Siqueira apresentou requerimento para que campanhas de prevenção sejam veiculadas durante o Se Liga na Educação, as aulas da rede estadual veiculadas na TV Minas.

“Com a ansiedade e as angústias naturais do momento, muitos veem no álcool um refúgio, o que é um risco. Esse comportamento pode se transformar em hábito pós-pandemia, gerando uma futura dependência ou acarretando problemas emocionais e de saúde como a depressão”, alertou Ana Paula em audiência pública, no dia 15 de junho, na Comissão de Prevenção e Combate ao Uso do Crack e Outras Drogas, da qual é vice-presidente.

A deputada cobrou o investimento em políticas de prevenção da subsecretária de Política Sobre Drogas, presente na reunião, e solicitou que o Estado aumente a estrutura de atendimento remoto às famílias por meio do Centro de Referência Estadual de Álcool e Drogas (Cread).

“A pandemia revelou uma população com muitas carências e que parecia estar invisível aos olhos de parte do poder público”, afirma Ana Paula que também ocupa na Assembleia a coordenação da Frente Parlamentar em Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente.

0 comentário